buscar
por

Unidos a Cristo no caminho da santidade cotidiana

A experiência do apóstolo Paulo de sua íntima união com Cristo se revela como um caminho de vida para todos os discípulos e discípulas do Senhor hoje, chamados à vida de santidade e comunhão com Deus e com os irmãos. Unido a Cristo pela cruz, o apóstolo explicita a sua profunda convicção de que nela ele encontrou a sua razão de viver. Na cruz ele está crucificado com Cristo para o mundo e também nela ele encontra o seu único motivo de glória. Esta afirmação de Paulo se baseia no fato de que ele experimentou, em primeira pessoa, a força infinita de Cristo na sua história. Tal experiência o faz reconhecer, pela fé, que a ação amorosa e gratuita de Deus, no ato de salvar a humanidade na cruz de Cristo, é um evento de dimensões incomparáveis em toda a história humana. Ao ser invadido pela consciência de ter sido salvo por tão grande amor, o apóstolo não pode ter outra atitude senão a de se colocar no caminho do seguimento e da união íntima com o próprio Senhor. O Apóstolo reconhece que tudo isso nada mais é do que fruto da graça divina, que o homem é convidado a acolher com um coração agradecido.

A experiência paulina de identificação com Cristo oferece ao apóstolo condições de transformá-la num convite explícito aos seus destinatários, e aos homens e mulheres de todos os tempos. Pois, ao falar de sua comunhão com Cristo, Paulo indica o caminho a ser seguido por todos os que desejam aderir a Ele pela fé. A sua proposta não se reduz a um conhecimento dos eventos históricos da morte e ressurreição de Cristo, mas ao contrário, ele propõe uma verdadeira e íntima comunhão, na qual o cristão é inserido num movimento direcionado a morrer com Cristo na cruz e ser conduzido com Ele à ressurreição, que é a meta de sua esperança.

Ao contemplar a Redenção operada pela vitória de Cristo sobre a morte, o apóstolo vê nela refletida o seu imenso amor, particularmente visível em sua entrega total e gratuita na cruz. Paulo reconhece que foi redimido por este tão grande amor capaz de iluminar toda a sua história, fazendo dele um homem novo. Esta convicção foi a chave para que a relação do apóstolo com Cristo se tornasse viva e real, a ponto do próprio Paulo dizer: «já não sou eu quem vivo, mas é Cristo que vive em mim» (Gl 2,20). Tal afirmação não exprime uma espiritualidade intimista e reduzida ao aspecto puramente pessoal, mas é expressão de um projeto de vida para o apóstolo e, com certeza, uma proposta de vida aberta a todos os que desejam, como ele, aderir a Cristo pela fé. Sendo assim, todo cristão é chamado a unir-se a Cristo, a fim de ingressar na nova criação inaugurada na sua cruz, vivendo o caminho da santidade e professando a fé na vida cotidiana. Este percurso de adesão a Cristo pela fé conduz o cristão a uma vivência profundamente marcada pelo dinamismo da graça de Deus e pela adesão e promoção dos valores do Evangelho, vivendo unido a Cristo na santidade cotidiana.

Pe. Andherson Franklin
Professor de Sagrada Escritura no IFTAV e doutor em Sagrada Escritura

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS