buscar
por

Preparando famílias para uma sociedade melhor

Se observarmos atentamente e, até mesmo sem muita atenção, ao nosso redor percebemos o quanto a família, como instituição milenar e, considerada a célula da sociedade, vem sendo bombardeada por todos os lados. Novas configurações, separações, guarda compartilhadas dos filhos, leis de educação com visões parciais da pessoa e do mundo que interferem diretamente na educação das novas gerações, valorização de bens materiais, educação sem religião, entre outros que, aos poucos, minam as relações, relativizam os princípios e invertem os valores. Diante destas realidades, que por vezes parecem articuladas para destruir a instituição familiar, a Igreja Católica investe na família e procura formas de chegar mais perto e dar maior apoio àqueles que desejam seguir seus ensinamentos.

IMG_0572

Uma das formas que a Arquidiocese de Vitória encontrou foi a preparação dos noivos que desejam constituir família. Toda a pastoral familiar e outros grupos que trabalham na evangelização das famílias estão assumindo uma nova metodologia de preparação para o matrimônio.

Para quem já ouviu falar em curso de noivos vai um alerta: essa nomenclatura faz parte do passado, segundo padre Renato Cristi. Agora o método é de acolhimento aos noivos e de forma muito prática e realista. Não se farão mais encontros intensivos de final de semana com palestras intensas e conceituais. A novidade é um casal que já vivencia sua fé na vida matrimonial, acolher aqueles que se preparam para o matrimônio em suas casas e, com eles, percorrer o caminho de tomada de consciência do valor do sacramento e desafios da vida a dois. Assim é possível os futuros casais perceberem de maneira real se estão preparados para a mudança que pretendem fazer.

2falas 2

No final do mês de maio a Arquidiocese de Vitória realizou um congresso para apresentar a nova metodologia aos agentes da pastoral familiar e a reportagem da Revista Vitória esteve lá. Padre Renato Christi falou sobre a tarefa do noivado e apresentou o material de trabalho com a nova metodologia, alguns casais que já trabalham com esse método partilharam experiências, Dom Luiz Mancilha Vilela, Arcebispo de Vitória presidiu a missa de encerramento e os agentes das pastorais aderiram à proposta e aprenderam como trabalhar o projeto.

Algumas paróquias da Arquidiocese adotaram o método do acolhimento há algum tempo. Entre elas ouvimos agentes da paróquia São Francisco de Assis na Serra, Santíssima Trindade de Vila Capixaba e Nossa Senhora da Vitória (Catedral). Guilherme Simões e Marinelha formam o casal coordenador do setor pré-matrimonial. Guilherme explicou o novo formato da preparação para o casamento da seguinte maneira: “A mudança é que agora a preparação dos noivos é feita por acolhida. Temos um material com 12 módulos e eles são realizados na casa dos casais que são agentes da pastoral familiar, chamados de ‘casal acolhedor’. O casal propõe aos noivos a acolhida da Palavra de Deus e a experiência de família não mais com palestras, mas com a experiência de vida. Ali eles percebem as alegrias que é a vivência do matrimônio, mas também as dificuldades que vão encontrar a partir da experiência de vida do casal que acolhe. Entre as dificuldades falamos do relacionamento com as famílias de um e de outro, organização financeira e relacionamento interpessoal”. Luiz dos Santos casado com Ivone Ambrósio acrescentou um pouco mais: “o acompanhamento individual é a oportunidade de ir ao detalhe, de evangelizar através do relacionamento, de conhecer e identificar aquela pessoa, construir elos de amizade de tal forma que quando precisar sabe a quem procurar. Já Toninho casado com Gilsani Campos acentua o quanto é importante para o futuro casal aproximar-se da experiência do casal acolhedor e afirma “temos uma conversa muito franca e aberta. Procuramos passar para os noivos nossas experiências, nossos desafios e como enfrentamos as dificuldades e as superamos”.

2falas

Os casais acolhedores acentuaram que também são beneficiados com o método. “É bom para o casal acolhido e é bom para o casal acolhedor. Você fala que tem que dialogar, que tem que rezar mais, que tem que ter entendimento, que precisa acolher o outro como uma pessoa diferente de você e aí você também tem que ‘fazer melhor’ a sua vida, tem que se comportar melhor. Não adianta você falar uma coisa e fazer outra. Tem até uma frase no material que diz ‘o casal não precisa ser santo, mas tem que buscar a santidade, ele tem que dar exemplo de vida”, disse Guilherme. Luiz reafirmou “este trabalho é a oportunidade de crescimento pessoal e conjugal, pois somos chamados a dar testemunho de vida matrimonial e não somente a transmitir um saber, mas transmitir convicções e valores aos noivos. Cada casal que acolhemos nos leva a uma reflexão sobre nosso relacionamento e nosso comportamento como família cristã”.

1falas

Padre Humberto tanto quis

1falas 2

O método foi proposto na Arquidiocese de Vitória como prática de preparação para o matrimônio pelo padre Humberto Leopoldo Wuyts, falecido em 16 de fevereiro de 2014, conforme constataram todos os entrevistados. Padre Humberto pesquisou sobre metodologias de preparação para o casamento em sites de dioceses no mundo inteiro para sua tese de doutorado que não chegou a terminar. Com ela chegou à conclusão de que o melhor método seria o acolhimento e acompanhamento individual dos novos casais. Propôs a ideia, mas encontrou resistências. Mesmo com dificuldades alguns grupos de pastoral conseguiram implementar o método. Ganhou o apoio do arcebispo Dom Luiz Mancilha Vilela que incentivou a implementação na paróquia São Francisco de Assis em Laranjeiras durante a visita pastoral de 2010. Com a aprovação de padre Lúcio Lameira a metodologia começou a ser usada na paróquia em 2011.

Padre Humberto, a Arquidiocese de Vitória adota, a partir de agora, a metodologia que o senhor ‘tanto quis’. Obrigada por colocar a semente, regá-la e cuidar dela, os frutos começam a chegar.

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS