buscar
por

ORIENTAÇÕES PARA O FIM DOS TEMPOS

O primeiro Catecismo dos cristãos conhecido como Didaqué termina com orientações sobre o comportamento de vida, que tem por meta o Reino de Deus. Três conselhos contundentes: “vigiem sobre a vida, não deixem apagar as lâmpadas e nem soltem o cinto dos rins”; tudo isso em vista do Senhor que vai chegar.

Estes aspectos de vigilância vão garantir os frutos da oração, pois nos manterão acordados em meio ao sono do mundo. A lâmpada da fé deve continuar ardendo com o óleo dos Sacramentos, para que a visão não se ofusque ou se apague e com isso se perca a direção no caminho. O cinto na cintura bem apertado garante a continência necessária dos excessos humanos para não acomodar no caminho pelos vícios do pecado.

A força do cristão está na comunidade reunida. É ali, na “pausa restauradora da caminhada rumo aos céus”, que se consegue orientar a própria vida e deixar os fardos desnecessários do pecado para trás. Na comunidade reunida há a garantia da presença e da vitória de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Igreja vive constantemente o limiar da manifestação plena do Reino. O que garante o ânimo da ação evangelizadora é o olhar fixo no Cristo que vem, mesmo que na realidade presente a injustiça e as divisões imperem como reino de morte. Através da transformação da realidade, esse final glorioso vai aos poucos sendo preparado e vivido, e a comunidade cristã já vai experimentando desde já as alegrias futuras.

A Igreja vive historicamente uma grande prova, simplesmente, porque deve enfrentar projetos contrários aos de Jesus. Muitos em nossa sociedade semeiam a desigualdade e o ódio junto com todas as consequências desastrosas que daí provêm. Por isso, o testemunho verdadeiro do cristão se faz em meio a conflitos e lutas, numa batalha constante entre o bem o mal. Ao mesmo tempo, o discernimento no Espírito Santo faz-se sempre necessário para que a Igreja realize o certo no momento adequado.

Através deste testemunho, aos poucos, a verdade resplandece sobre a mentira. A abertura dos céus são as lentes de interpretação da história. E, ao toque da trombeta (dia do julgamento), se realizará o fim dos tempos a partir do testemunho vivido. Quem “perseverar até o fim será salvo”, superando todas as intempéries decorrentes das perseguições.

Nosso Senhor já nos garante a vitória pela sua Cruz e Ressurreição e mesmo que os sinais presentes pareçam desastrosos ou impossíveis de serem superados, os Santos Mistérios são verdadeiro bálsamo e alento.

Muito nos alegra ouvir as palavras de Cristo que nos impulsiona a caminhar: “tende coragem, eu venci o mundo!”

Daniel Calil Mascalubo
Seminarista do Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora da Penha

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS