buscar
por

O mistério celebrado: fonte da vida pastoral

O mistério de Cristo, celebrado liturgicamente, é a fonte e a convergência de todos os que vivem a fé no seguimento do Filho de Deus. Bem expressa o proêmio da Constituição Sacrosanctum Concilium: “A liturgia, com efeito, mediante a qual, especialmente no divino sacrifício da eucaristia, ‘se atua a obra da nossa redenção’ contribui sumamente para que os fiéis exprimam em suas vidas e manifestem aos outros o mistério de Cristo e a genuína natureza da verdadeira Igreja…” (SC 2).

O caminho pastoral da Igreja é o desdobramento e a expansão das experiências vividas comunitariamente nas liturgias, particularmente na eucaristia. A tônica da fé e da vida eclesial está na culminância de toda a revelação: Jesus Cristo e o seu mistério pascal. Por isso, a missão pastoral tem a essencialidade de divulgar e promover a vivificação das criaturas segundo o Cristo Ressuscitado, pois ele é “o primogênito de toda a criação” (Cl 1,15).

O Espírito potencializa todos os sentimentos, intenções e gestos dos que, em assembleia, celebram o mistério da fé, fortalecendo-os para a vida testemunhal do Evangelho, como atualização da ação salvífica de Cristo. Tal ação é visibilizada e experimentada na apostolicidade dos batizados que se lançam no caminho da vida, particularmente nas suas periferias e nos seus desertos, fazendo valer a máxima de Cristo: a vida plena e abundante para todos (cf. Jo 10,10).

Em todos os atos litúrgicos a Palavra de Deus é propícia a despertar nos fiéis a sensibilidade e a escolha pela vida, confrontando as realidades humanas com a originalidade da vida e ação do Criador. É pela escuta, meditação e discernimento da Palavra que renovados ciclos ampliam o caminho vivificador dos cristãos e a eficácia de sua ação no mundo.

As particularidades das ações de Cristo contidas no Evangelho e proclamadas em âmbito litúrgico são inspiradoras para todos os trabalhos pastorais, os quais, inspirados, motivados e fortalecidos pela ação criadora e transformadora da Palavra, são resposta aos clamores do Espírito na história.

A liturgia da Palavra e a liturgia eucarística formam a unidade de culto. Na liturgia eucarística, comer e beber o Corpo e Sangue de Cristo significa assumir os sentimentos e as atitudes do Mestre – reveladas pela Palavra – em sinal de comunhão com a causa do Reino de Deus.

O princípio de todos os encontros e trabalhos pastorais deve sempre dar ênfase à proclamação da Palavra, na atitude de acolhê-la e integrá-la como presença de Cristo, o Bom Pastor que, por meio dos agentes reunidos, quer estender o seu ministério vivificador e transformador na diversidade dos contextos e das urgências deste tempo, em consonância com o específico de cada pastoral.

Que sempre seja aprofundado, ressignificado e até redescoberto o sentido e o valor da liturgia na vida e missão da Igreja: fonte e princípio, partida e chegada, “para que Deus seja tudo em todos” (cf. 1Cor 15,24-28).

Fr. José Moacyr Cadenassi
OFMCap, letrista, cantor, consultor de liturgia, apresentador de rádio e agente de ecumenismo
e diálogo inter-religioso

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS