buscar
por

Muticom: uma contribuição para uma cultura do encontro

Nossas atenções se voltam, neste mês, para o Muticom. A CNBB, há algum tempo, vem tomando consciência da importância dos Meios de Comunicação Social, como instrumentos importantes para o anúncio do Evangelho. Desde o início da divulgação das emissoras de rádio no mundo, a Igreja Católica percebeu que se tratava de uma via nova para evangelizar os povos. Surgiram muitas emissoras em nosso país, adquiridas pelas arquidioceses, dioceses e paróquias. Não bastavam os serviços dos alto falantes postados em lugares estratégicos para a boa comunicação.

O espírito criativo de muitos padres e missionários chegava a fazer conexão entre a emissora e o megafone recepcionado pelo rádio de pilha, utilizados nas festas religiosas e procissões. Já com os Canais de TV, poucas arquidioceses e Ordens Religiosas se aventuraram a assumir este novo modo de comunicar. A comunicação da Igreja Católica pela TV no Brasil começou há apenas 20 anos.

Aos poucos, os arautos deste novo jeito de comunicar, vão acertando os passos de um atraso de décadas, experimentando que, para comunicar-se bem, precisa-se de amadurecimento técnico competente e investimento monetário nesta área.

Hoje, vivemos uma verdadeira revolução no campo da Comunicação. Jornais, revistas e TVs precisam atualizar-se no novo mundo virtual. A Igreja está muito mais decidida a fazer parte desta maneira de comunicar. Os três últimos Pontífices entraram nesta empreitada evangelizadora. Não podemos perder tempo e espaço no desafio de anunciar o Evangelho com eficiência e na linguagem de nosso tempo!

Contudo, neste intenso desejo de comunicação, não podemos perder de vista nosso objetivo fundamental. O que desejamos alcançar com a nossa comunicação? A primeira resposta é sem dúvida o anúncio da Boa Nova que temos a comunicar para toda a humanidade. Porém, queremos mais do que anunciar a Boa Notícia ou Evangelho. Queremos ajudar a humanidade a reencontrar a sua origem através do acolhimento da Boa Nova. A humanidade precisa descobrir que a origem de sua vida está em Deus Amor. Ao descobrir a sua origem de vida ela também poderá dar o passo seguinte: dirigir-se ao seu destino. A humanidade só descansará no Encontro com o seu destino: Deus Amor!

Ora, o sentido e a tarefa da comunicação é, sem dúvida, ajudar as pessoas a descobrirem e optarem para o Caminho da Comunhão com a Santíssima Trindade. O Ponto de partida da humanidade é a Trindade e o ápice de sua caminhada é a Trindade.

A CNBB, ciente de sua missão de animar e aprofundar a ação evangelizadora da Igreja no Brasil, enquanto Conferência Episcopal, intuiu que o “Muticom” poderia ser um excelente instrumento no contexto histórico em que surgiu e continua acreditando nele para mobilizar e estimular os comunicadores no aprendizado e/ou aprofundamento da Boa Comunicação.

A palavra “Muticom” é composta da junção de duas outras, “Mutirão” e “Comunicação”. “Mutirão” tem sua origem na experiência rural, quando os pequenos proprietários vizinhos se uniam para fazer as colheitas de uma plantação ou mesmo para construir uma “casa de adobo” ou “pau a pique”. Este gesto de solidariedade era coroado com uma bela festa entre os participantes do mutirão solidário. Porém, esta experiência rural urbanizou-se nas periferias das cidades, seja na construção de casas, seja para a edificação de Igrejas. Tornou-se uma rica experiência no seu sentido e no seu gesto expressivo. Solidariedade e comunhão de pessoas! Nada mais apropriado para a Igreja, possuidora desta experiência tradicional, que traduzi-la para o seu novo lugar de anúncio do Evangelho, o mundo virtual. Mutirão Nacional da Comunicação! O Santo Padre recomenda a todos nós que cultivemos a cultura do encontro.

A Igreja precisa recuperar o tempo que já perdeu no mundo da comunicação tecnológica inserindo-se no mundo virtual e abrindo um campo novo no seu dever missionário que é ser instrumento de Cristo para que tudo seja restaurado, como nos diz o grande comunicador São Paulo: “Restaurar tudo em Cristo”! (Ef 1, 10)

E esta inserção consegue-se entrando no ambiente virtual com competência e amor. O 9º “Muticom” está preocupado com a ética nas comunicações, no meio e em tempos de verdadeira crise ética que a humanidade vem passando. Nada mais oportuno, em vista da Comunhão, refletir e provocar na mídia a urgência de uma opção pela ética ao fazermos comunicação. Sejam todos bem vindos, e possamos realizar um grande Encontro com nota marcante em favor de uma cultura do Encontro!

Dom Luiz Mancilha Vilela, ss cc
Arcebispo de Vitória – ES

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS