buscar
por

Forte São Francisco Xavier de Piratininga

Quem observa a baía de Vitória do alto da Ponte Darcy Castelo de Mendonça (também conhecida como 3ª Ponte) logo se encanta com uma construção antiga, em formato circular, logo abaixo do morro do Convento da Penha, na Enseada de Inhoá. Trata-se do Forte São Francisco Xavier de Piratininga ou Forte da Barra.

Essa construção centenária, atualmente sede do 38º Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro (Batalhão Tibúrcio), foi erguida por volta de 1702 para ser usada como defesa da Capitania do Espírito Santo contra os invasores franceses, ingleses e holandeses.

Aliás, o Convento da Penha também serviu de posto de observação ao Forte (e a defesa da Capitania) por se tratar de um excelente local de observação da entrada da baía de Vitória. De seu local privilegiado, no alto do outeiro da Penha, os guardiões do Convento conseguiam detectar os navios que se aproximavam da barra e avisar, com antecedência, da chegada de amigos e invasores.

O Forte de Piratininga seguiu seu papel de defesa do Espírito Santo, sendo ampliado em 1763 e ganhando 15 novas canhoneiras. Nessa reforma o edifício recebeu o formato circular que conhecemos hoje.

Com o passar dos anos, e o fim do ciclo do ouro, a paz foi instaurada na colônia portuguesa e a fortificação militar caiu em desuso.

Em 1857, quando o edifício foi transferido à marinha brasileira, já se encontrava abandonado há um bom tempo. E, nesse local foi instalada a Escola de Aprendizes Marinheiros.

Hoje, transferido ao Exército Brasileiro, o Forte da Barra tornou-se a dependência social do 38º Batalhão de Infantaria e pode ser contemplado internamente, desde que, a visita seja agendada com antecedência.

Diovani Favoreto
Historiadora 

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS