buscar
por

Eu vi você

Acordei não muito bem e tinha uma longa cerimônia de Crisma para realizar. Ao terminar a missa e dirigindo-me ao carro, ainda mais cansado, eis que vem correndo de braços abertos para se despedir de mim, uma criança de seis ou sete anos, abraçou-me como se eu fosse da família dele e cheio de alegria e com um sorriso enorme me disse somente isso: “Eu vi você…”! Imagino que ele tenha me visto no altar durante a missa. O fato é que aquelas palavras, aquele abraço, aquele sorriso e olhar brilhante infantil transformaram totalmente meu cansaço em alegria.

Uma das coisas importantes da vida é o poder do olhar. No início da vida, toda a segurança da criança está no olhar do pai e da mãe. Basta um olhar e tudo se resolve e se acalma. Depois de adulto, continuamos procurando o olhar dos outros: das pessoas que amamos, dos superiores, dos amigos. Creio que a pior dor e pior pobreza é ser “invisível” para os outros. Daqui o desespero de alguns para atrair o olhar sobre si através das coisas ilusórias: ostentação material (símbolos de riqueza), querendo ser importante (símbolos de poder), dominando e possuindo coisas e pessoas.

Resumindo, o ser humano passa toda a sua vida desejando o olhar do Pai-Mãe. Todos os outros olhares são tentativas frustradas de encontrar o grande e único olhar verdadeiro: o olhar de Deus. Durante a oração você se coloca conscientemente diante dos olhos de Deus. Ele está lhe olhando. O que você sente diante do olhar de Deus? Medo? Sente-se acolhido e amado pelo Pai? Se durante a oração e, também durante o seu dia a dia, você não se percebe olhado amorosamente por Deus, então você se sentirá sozinho, invisível, abandonado. Daqui a tentação de buscar outros olhares, por exemplo, a busca ilusória de riqueza e poder para camuflar o vazio e tristeza da alma que a invisibilidade espiritual causa.

Só na eternidade, no céu, estaremos olhos nos olhos com Deus. Por enquanto podemos somente vislumbrá-lo através do véu ou nuvem da fé. Todavia, basta-nos saber que Ele nos olha para que o nosso coração e nossa vida fiquem felizes. O olhar de Deus nos basta.


Dom Rubens Sevilha

Bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS