buscar
por

Como escolher as músicas para o Matrimônio

Como escolher as músicas para o Matrimônio

Quando os noivos estão se preparando para o casamento, dentre tantas coisas que eles têm a preparar, está o repertório das músicas para a celebração. Nem toda música de que o casal gosta poderá ser usada para esta finalidade, porque todos os sacramentos estão vinculados com o Mistério Pascal de Cristo. Toda celebração é essencialmente comunitária e “os vários momentos litúrgicos exigem, de fato, uma expressão musical própria, sempre apta a fazer emergir a natureza própria de um determinado rito” (Quirógrafo sobre Música Sacra, n. 5). Por isso, a música escolhida para o matrimônio não basta ser apenas religiosa. Ela deve estar intimamente ligada ao rito celebrado, não é apenas um acessório. As suas letras devem expressar o amor de Deus revelado no coração humano, em especial, naqueles que se unem diante dEle e da comunidade reunida. As músicas populares, principalmente as internacionais, são um risco para a liturgia, pois elas não foram compostas para aquele determinado momento e, por isso, não condizem com a teologia deste sacramento.

O espaço sagrado na Celebração da Palavra

A celebração da Palavra de Deus, realidade em maior parte das comunidades eclesiais, possui uma dinâmica própria para a sua realização. O espaço celebrativo deve ajudar nessa compreensão e privilegiar a participação ativa da assembleia e o exercício dos diversos ministérios. Não é apenas a cadeira presidencial vazia que indica a ausência do padre, pois senão ela correria o risco de se tornar uma “mini-missa”, mas os elementos que a constituem. A centralidade é a mesa da Palavra, por isso aqueles que conduzem a celebração devem ficar próximos a ela, de maneira que possam ser vistos e ouvidos pela assembleia. O altar só será usado no momento da comunhão, caso haja. Se a celebração ocorrer fora do templo e não houver a distribuição da comunhão, o destaque será dado à mesa da Palavra, preservando a dignidade para a sua proclamação. “Para a ‘mesa da Palavra’ convergem as atenções de todos os presentes.” (cf. Orientações sobre a Palavra de Deus, doc. 52 da CNBB, 46).

Rezar novena

As novenas são um bonito aspecto da piedade popular e fazem parte do cotidiano das pessoas e das comunidades eclesiais. Fazemos novena a um santo de devoção, em preparação a um momento importante na vida da Igreja, para o restabelecimento da saúde e tantas outras intenções, mas o elemento essencial é sempre Jesus Cristo. Aqueles que realizam as novenas acreditam que os santos, a quem nós pedimos a intercessão, viveram plenamente a sua humanidade, por isso são tão próximos de nós. Mais do que uma sucessão de dias ou repetição de orações, o mais importante é o tempo que se dedica àquela finalidade durante determinado período. E mais, a oração do fiel não pode ficar reduzida aos nove dias da novena, ela deve se tornar um hábito e levar a uma profunda intimidade, gerar comunhão com Deus e com os irmãos.

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS