buscar
por

“Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome.”

“Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome.”  Mahatma Gandhi

Em pleno século XXI a fome ainda aterroriza o mundo. Segundo o mais recente relatório da ONU, pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), 815 milhões de pessoas passam fome no mundo. A grande maioria dessas pessoas vive em países afetados por conflitos e guerras, mas não só. De acordo com esse estudo, a desnutrição infantil desses países chega a ser 9% a mais que outros países.

Segundo o mesmo relatório a obesidade em adultos segue crescendo em todo o mundo. Ela mais do que dobrou entre os anos de 1980 e 2014. O problema se agrava mais na América do Norte, Europa e Oceania, onde 28% dos adultos estão obesos. Na América Latina e no Caribe, 25% da população adulta também se encontra na obesidade.

O que é isso? Qual lição tirar daqui? Falta Justiça Social no mundo. A pobreza mundial faz parte de um projeto de governo. A fome é um problema político. Os alimentos, que em essência serviriam para alimentar, foram convertidos em mercadorias para gerar lucros.

A natureza produz o suficiente para todos, mas a ganância de uns vem destruindo a vida de milhares de outros. Nações inteiras sofrem com esse regime cruel. O capitalismo é uma doença e está infiltrado por toda parte. Onde quer que o capital prevaleça sobre o humano, ali impera e mata o espírito e o corpo. Um sistema voraz, acumulador, individualista, destruidor do meio ambiente, incapaz de assegurar o bem-estar da humanidade.

A ostentação ocupa o lugar da solidariedade, da compaixão, dos valores cristãos de amor ao próximo. O que as crianças mais aprendem é consumir. Onde ficou nossa humanidade? Um sistema que abandonou a educação, a saúde e a segurança do povo, investe milhões em guerras. Gandhi repetiria a mesma frase que originou este texto ou adaptaria à realidade atual cada dia mais destruidora e desumana?

Como permitimos que a humanidade chegasse a este ponto? O planeta sofre com a agressividade humana. Qual mundo deixaremos para as futuras gerações? Recebemos um maravilhoso jardim, como herança divina, para cuidarmos uns dos outros como irmãos. Estamos acabando com ele de forma irresponsável e destruindo a própria saúde pelos excessos cometidos.

Nosso maior desafio é resgatar a esperança. Temos que reescrever a história humana. A correria da vida moderna e consumista fez-nos perder o espírito da contemplação. É urgente cultivar uma espiritualidade de amor e gratidão à vida na Terra.

A política tem que ser levada a sério, as decisões para o bem comum precisam ser debatidas no trabalho, nas famílias e nas igrejas. Para os corruptos, quanto mais o povo se afastar da política, melhor. O povo tem que ter voz no novo modelo. É preciso resistir. A fome de qualquer irmão, em qualquer lugar do mundo, é nossa fome também. Vamos construir um mundo melhor e mais humano!

Warllem Silva
Poeta e fotógrafo

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS