buscar
por

A Transformação do Mundo em Cristo : “Eis que faço Novas Todas as Coisas!” (Ap 21,5)

A grande promessa de transformação do Mundo inteiro marca decisivamente a vida da Comunidade dos Discípulos Missionários, que é chamada a ver os sinais da novidade de Cristo na história. Por vezes, esses sinais ainda em gérmen, ou seja, pequenos e frágeis estão escondidos entre os muitos sinais de morte e exclusão que ainda predominam no mundo. Porém, apesar de pequenos, tais sinais já estão presentes na vida de muitos homens e mulheres, bem como na força viva das Comunidades Eclesiais de Base espalhados pelas cidades e campos. Todos que marcados pela novidade da Ressurreição de Cristo vivem como novas criaturas, buscando no Senhor a profunda renovação de suas vidas e a força e a coragem para promoverem a renovação do mundo inteiro. Estão inseridos na sociedade e são chamados a multiplicar os sinais da ressurreição, os sinais da vida nova em Cristo, por meio do seu compromisso de Fé e, sobretudo, por um Amor Renovado.

A grande novidade que Jesus traz no Quarto Evangelho é o caminho do Amor Fraterno, que nada mais é do que a manifestação da Glória de Cristo no mundo. De fato, a Glória de Deus é a manifestação visível do Deus invisível, isto é, a sua ação salvífica na história dos homens. Segundo a afirmação do Evangelho, Jesus é a manifestação plena do Pai, a imagem visível do Deus invisível, que continua agindo na vida dos homens, em vista de sua salvação e libertação. Algo que se manifestou de forma plena em sua Cruz, momento de sua total glorificação, segundo as palavras do evangelista. A Cruz de Cristo é a imagem concreta de um amor que doa a própria vida, capaz de chegar até as últimas consequências, para a salvação da humanidade. Desse modo, a Glória de Deus se manifesta no amor de Cristo por toda a humanidade, o que faz com que todo gesto de amor, seja uma manifestação gloriosa do Senhor.

Ao indicar o Caminho do Amor Fraterno aos seus discípulos, Jesus o apresenta como a ação gloriosa do Reino de Deus e como a fonte da vida da Igreja, por ser o amor a sua língua e o seu idioma. Ele envia os discípulos com a força do seu amor e os chama a viver esse amor no dia a dia, como um modo novo de vida que nasce a partir de Sua entrega na Cruz. Não somente um amor de palavra, mas, sobretudo, uma atitude concreta, algo que faz do cristão alguém capaz da doação total de sua vida. Um empenho sincero e constante na promoção da vida, no seu resgate, uma atitude de amor capaz de mover os corações na direção dos que mais precisam.

O Amor Fraterno é a fonte da grande novidade mencionada no Evangelho e que encontra no texto do Livro do Apocalipse a sua confirmação, quando se ouve nos lábios Daquele que venceu a morte, o próprio Jesus, as seguintes palavras: “Eis que faço novas todas as coisas”. A grande novidade do Reino está nesse amor, que vai além dos limites estabelecidos e faz surgir, nessa terra, um novo modo de vida, próprio dos discípulos e discípulas missionários do Senhor.

Não é por acaso que nas últimas páginas e palavras da Sagrada Escritura encontra-se descrito o mundo como deve ser, em seu contínuo movimento de renovação. Segundo a apresentação do novo céu e de uma nova terra, como uma realidade renovada pela presença de Cristo e como algo que continua a acontecer na história, por meio das mãos operosas dos cristãos.

A Nova Jerusalém Celeste é apresentada no Livro do Apocalipse como uma cidade, como o lugar da convivência humana, do mundo humano, numa indicação clara de que não somente o mundo é renovado, mas, também o é a humanidade inteira. Sendo assim, segundo as palavras da Igreja contidas na Constituição Conciliar Gaudiun et Spes, a esperança do Reino futuro não deve fazer com que os homens não se preocupem com o mundo presente, mas, ao contrário, deve incentivá-los na busca de sua inteira renovação.

O amor de Cristo manifestado aos seus discípulos e à humanidade inteira, por meio de sua Morte na Cruz, torna-se o caminho único para a renovação de todo o universo. O mundo será transformado por meio de atitudes concretas de Amor Fraterno, que devem marcar a vida de todos os cristãos. Assim se apresenta a proposta de Jesus a todos os cristãos, um caminho de crescimento e amadurecimento no amor, que vai até as últimas consequências, a fim de criar uma realidade nova. A plenificação do mundo passa pela renovação de uma esperança comunitária, da passagem de um mundo marcado pelo individualismo e pela exclusão dos mais pobres, para a construção de uma sociedade justa, fraterna e solidária. Sendo assim, a mudança dos valores deve ser algo a ser perseguido com insistência, pois, somente marcados pelo amor criativo de Cristo, os cristãos, os homens e mulheres de boa vontade serão capazes de atuarem na construção da Casa Comum para a humanidade inteira, da Jerusalém Celeste, dos novos céus e nova terra, onde todos terão lugar.
Pe Andherson Franklin Lustoza de Souza
Professor de Sagrada Escritura no IFTAV e Doutor em Sagrada Escritura

 

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS