buscar
por

A essência da Doutrina Social da Igreja

O magistério da Igreja (constituído pelo Papa e pelos bispos em comunhão com ele) evidencia a relevância do Evangelho e da fé na vida pública e social, e denuncia os efeitos destrutivos da injustiça resultantes do pecado. Assim, os pronunciamentos da Igreja sobre as questões sociais, políticas e econômicas constituem a Doutrina Social da Igreja.

Objetivando uma visão de conjunto dos ensinamentos da Igreja nesse campo, publicou-se em 2004, o Compêndio da Doutrina Social da Igreja, o qual constitui, nas palavras do Cardeal Sodano, então Secretário de Estado do Vaticano, importante instrumento de evangelização, colocando a pessoa e a sociedade em relação com a luz do Evangelho.

Alinhando-se ao caminhar teológico-doutrinal da Igreja, o Documento de Aparecida acentua a importância do estudo do Compêndio a fim de promover a atuação transformadora dos cristãos na sociedade, evidenciando a essência da Doutrina Social da Igreja.

O Documento de Aparecida mostra que a Doutrina Social da Igreja

• sustenta-se na dinâmica da própria missão da Igreja, por meio do testemunho dos cristãos e da ação solidária para transformar o mundo segundo Cristo. Nessa perspectiva, a Igreja cultiva a amizade com Cristo na oração, o apreço pela celebração litúrgica, a experiência comunitária e o compromisso permanente com o serviço às demais pessoas, principalmente aos mais pobres;

• fomenta a colocação em comum da fé cristã e das respostas aos problemas, para o bem dos mais pobres, à luz dos princípios da dignidade, subsidiariedade e solidariedade, vivendo a fidelidade na imitação de Jesus Cristo, despertando a esperança e colocando a Igreja como advogada da justiça e defensora dos pobres, diante das intoleráveis desigualdades sociais e econômicas;

• situa-se no conjunto do processo evangelizador, considerando que a evangelização envolve a promoção humana integral a partir de Cristo e a autêntica libertação, condição essencial para uma ordem justa na sociedade;

• mostra claramente que o serviço da caridade, o anúncio da Palavra e a celebração dos sacramentos são expressões inerentes à própria essência da Igreja, cuja missão requer a promoção e a reivindicação de ações concretas fundamentadas numa perspectiva ética, solidária e humanista;

• atesta que nós, cristãos, somos chamados à santidade e a expressar nossa fé, participando da construção de uma sociedade conforme o projeto de Deus, mantendo a coerência entre fé e vida no âmbito político, econômico e social.

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS