buscar
por

Produção e emprego no Espírito Santo

“A economia do Espírito Santo é limitada e dependente das grandes companhias aqui instaladas: ArcellorMittal, Vale, Fibria (antiga Aracruz Celulose), Samarco e, recentemente, Petrobras”; afirmação comumente feita por economistas e demais “analistas” distribuídos ao longo do estado. Entendo que esta caracterização simplista de nossa estrutura produtiva deriva-se de três fontes principais: i) da suposição de que as grandes empresas são as maiores responsáveis pela geração de demanda e riqueza; ii) comparação com outros estados da federação; iii) desconhecimento da estrutura produtiva estadual.

Certamente as grandes empresas desempenham papel importante em qualquer região em que se encontram, dado o seu grande volume de produção, faturamento e demanda por bens e serviçosentretanto, o avanço tecnológico, ressalta-se, positivo, torna-as,  não mais, grandes geradoras de emprego e renda direta ao se comparar com a pujança de sua produção, bem como, a obtenção de tudo de que elas precisam pode facilmente ser adquirido de outras regiões do país ou do exterior; a capacidade de o Espírito Santo satisfazer parte importante destas necessidades por centenas de micros, pequenas e médias empresas aqui instaladas, demonstra a versatilidade de nossa produção, resultando, aí sim, em real geração de emprego e renda para o estado.

A comparação entre regiões com características técnicas distintas é um equívoco comum entre especialistas e leigos, como se fizesse sentido avaliar os avanços e limitações da economia brasileira comparando-a com a chilena ou a do Espírito Santo com a do estado de São Paulonada mais amador. E, por fim, o fato de ser um professor/doutor dentro de uma Universidade ou de se ler os jornais diários, não proporciona o conhecimento detalhado da diversidade produtiva de uma região, sendo o Espírito Santo referência, dentro de sua capacidade, em dezenas de setores produtivos espalhados em todo o seu território, o que o torna um dos estados mais ricos e desenvolvidos da federação em termos proporcionais à sua população.

Podemos citar alguns setores diversos como laticínios, frutas, hortaliças e café (agropecuária e agroindústria), distribuidoras e transportadoras (serviço), metalmecânica, tecnologia de informação, química e alimentação, e varejistas de tamanhos diversos de capital estadual, nacional e internacional, entre tantos outros. Assim sendo, sugiro aos “entendidos” um tour (físico) regional e uma pesquisa concreta em instituições empresariais para que se possa verdadeiramente conhecer a produção agropecuária, industrial e de serviços aqui existentealerta, poderão se espantar com o que encontrarão.

COMENTÁRIOS