buscar
por

Carta de orientações durante a Sede Apostólica vacante

Vitória, 26 de fevereiro de 2013

Caríssimos irmãos presbíteros, diáconos, seminaristas, religiosos, religiosas, leigos e leigas consagrados e demais fiéis cristãos

Saúde e paz!

Convido a todos para a Missa em Ação de Graças, na Catedral, dia 27 de Fevereiro à 18hs, pelo Pontificado de Sua Santidade o Papa Bento XVI. Será um momento especial de toda a nossa Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo para juntos agradecermos a Deus a graça que tem sido este tempo do pontificado de sua santidade.

Repito mais uma vez: é tempo de oração! Com a vacância do pontificado, tempo que terá seu início a partir das 20h do dia 28 é preciso que estejamos em constante oração, pedindo luzes ao Divino Espírito Santo para que ilumine a Igreja num momento tão importante que é a escolha de um novo Sumo Pontífice. Sugiro aos párocos que organizem orações especiais, como vigílias, celebrações da Palavra, adoração nesta intenção. O mesmo pedido faço, com muito carinho, aos religiosos e religiosas.

Oriento os presbíteros e equipes litúrgicas para que estejam atentos nas celebrações da Eucaristia quando não se deverá mais mencionar o nome do Papa nas orações eucarísticas até que seja eleito um novo Papa. Estamos em vacância pontifical. Nestas Eucaristias cite-se, apenas, o nome do bispo diocesano. É bom que todos tenham em mente e no coração que a menção do nome do bispo e do Papa na oração eucarística “não tem nada a ver com distinção, mas para evidenciar que a missa é celebrada em comunhão com os pastores da Igreja”. Desta forma, faz parte da Tradição da Igreja citar o nome daquele que “efetiva e canonicamente desempenha o cargo de Ordinário tanto na diocese quanto na Sede Apostólica”. Não se diz, pois, nestas eucaristias em tempo de vacância pontifical, “pelo Papa que será eleito, pelo colégio de cardeais, pelo camerlengo”.

Quando eleito o novo Papa, convido as paróquias a se manifestarem externamente soando os sinos das igrejas acompanhado de uma missa de ação de graças.

Sejam observadas estas orientações no sentido de comunhão universal da Igreja Católica orante, esperando que se cumpra a vontade do Divino Espírito Santo no momento e dia que lhe aprouver. A Igreja está e permanecerá sempre aberta e obediente aos desígnios do Senhor.

Nossa Senhora da Vitória, a Senhora das Alegrias nos ensine em cada momento a atitude de escuta e de esperança.

Deus abençoe a todos!

Dom Luiz Mancilha Vilela, ss.cc
Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de Vitória

COMENTÁRIOS