buscar
por

Padres da Área Serrana discutem crise hídrica no Estado

Organismos do governo estadual ligados à Agricultura e Meio ambiente participam da reunião da Área Pastoral Serrana para falar sobre a crise hídrica e quais as medidas estão sendo tomadas para melhorar a situação. O Arcebispo Metropolitano, Dom Luiz Mancilha Vilela, acompanha a reunião que tem a participação do secretário de Desenvolvimento Urbano e Saneamento, João Coser, o secretário de Agricultura, Octaciano Neto, a diretora do Instituto Estadual de Meio Ambiente (IEMA), Sueli Tonini e o diretor de meio ambiente da Cesan , Anselmo Tozi.

A prioridade do momento é o consumo humano, por isso é importante a conscientização da população na observação das normas e mudanças de hábito no consumo de água. “O momento tem que ser enfrentado com esforço coletivo”, diz o secretário de agricultura. Segundo Neto, o momento atual é resultado de políticas erradas no passado.

Dentre as medidas emergenciais para quem vive no campo, a que merece maior atenção é a irrigação. Esta deve acontecer durante a noite devido à evaporação que ocorre durante o dia e a irrigação para alto, grande pivô do desperdício, deve ser evitada. De acordo com o diretor da Cesan , a situação é muito difícil. Corremos risco de não ter água para abastecimento humano. “Possivelmente, se não melhorar vai ter racionamento. A situação se agravou e precisamos mudar o padrão de uso de água”, afirma Tozi.

O Iema defende a ideia do reflorestamento, a preservação dos lençois freáticos e o cuidado do esgoto sanitário. Segundo o órgão, há a dificuldade dos produtores rurais de entenderem as medidas necessárias. A diretora do Instituto conta com a Igreja para contribuir na orientação, falando sobre os cuidados que devem ser tomados e disse que o amor pode se expressar no cuidado com a natureza.

O arcebispo Dom Luiz pediu aos padres que colaborem conscientizando as comunidades e alguns dos padres presentes apresentaram seus questionamentos e as dificuldades encontradas na sua região. O Padre Márcio Ghil, coordenador da área pastoral, acentuou o excesso de plantio de eucalipto na região e o desmatamento que está sendo feito para isso. Em Araguaia, as caixas secas já estão sendo usadas e há a constatação de que as nascentes nas regiões onde tem eucalipto estão secando. O secretário de agricultura combateu a ideia disse que não é o eucalipto que prejudica, mas o grande responsável é o desmatamento.

Sobre o uso de agrotóxicos, também levantado durante a reunião, o Estado acena que há a previsão de financiamento para o agricultor que quiser trocar os agrotóxicos. O plantio diversificado é uma alternativa que está sendo incentivada, pois estamos vivendo uma desertificação do solo.

Dom Luiz encerrou a reunião dizendo que cuidar da natureza é colaborar com a criação de Deus.

COMENTÁRIOS