buscar
por

PARA INTERNALIZAR O MISTÉRIO ANUNCIADO A ZACARIAS

(continuação do artigo de maio)

Zacarias, o sacerdote do templo, sacerdote que não acreditou diante da inciativa Divina, olha para si mesmo e sua esposa, ambos idosos. Zacarias sentia-se incapaz. Faltou-lhe considerar que Deus, a quem ele servia no altar diante do povo, não era incapaz. Para Deus nada é impossível! Abraão havia acreditado na Palavra de Deus, mas Zacarias mergulhou na sua incapacidade. Como ser profeta sem crer na Palavra de Deus? Ficou mudo! Deus o silenciou até o momento em que recebesse uma nova chance, a chance de crer e obedecer aos desígnios do Senhor! No silêncio e na mudez, Zacarias fazia a experiência do mistério do Amor de Deus que tudo pode, que ultrapassa o conhecimento humano. Zacarias, além de ser sacerdote do Templo do Senhor torna-se profeta: “João é o seu nome”! (Lc.1,63). Acreditou, obedeceu e proclamou a bela notícia confirmando o desejo de Isabel. Isabel acreditara na Palavra de Deus. Aquela esposa idosa que se sentia humilhada por não ter filhos fez a experiência do Amor Misericordioso de Deus, libertando-a da vergonha que sentia perante a sociedade de seu tempo. Ela ouviu, acreditou e tornou-se mãe: “ele se chamará João”! (Lc.60).

Zacarias e Isabel experimentaram a impotência e a pobreza mais profunda do ser humano. Deus enriquece os corações vazios desse casal. Abençoa o casal com o filho profeta, João! Lucas escreve sobre esse casal: “Ambos eram justos diante de Deus e observavam irrepreensivelmente todos os mandamentos e preceitos do Senhor. Mas, não tinham filhos, porque Isabel era estéril e ambos de idade avançada” (Lc.1,6-7).

Quando a pessoa humana permite que a Justiça Divina habite o seu coração, maravilhas acontecem. Eles eram justos!

Tenho para mim que, agora, seria muito bom olharmos para nós mesmos e observarmos que fomos justificados pelo santo batismo que recebemos! Será que nossos semelhantes, conhecendo-nos como somos e vivemos, podem dizer que somos justos?

Vale a pena, um momento, uma parada silenciosa… cultivemos um bom tempo de silêncio, pois “bem-aventurados os que têm um coração de pobre porque deles é o Reino dos céus” (Mt.5,3).

Os casais discípulos de Jesus têm muito a internalizar contemplando este fato: um casal justo, mas, sente-se humilhado por não ter filho… Este casal é provocado pelo Senhor, convocado a crer de todo o coração, pois para Deus tudo o que nos parece impossível pode tornar-se possível sob sua ação Divina!

Quantas vezes nos encontramos em situações dificílimas que nos parecem impossíveis… mas, para Ele, Deus, o Senhor de tudo, é possível! Basta crer de todo o coração e deixar que a Vontade de Deus aconteça! O casal que busca viver na justiça que vem do Alto deixa-se dirigir pelo Senhor e não se prende ao seu limitado saber, aos seus costumes… Ele sabe. Ele é o Senhor da vida! Aquele que se abre à Justiça do Alto não perde a esperança, crê e acolhe!

Dom Luiz Mancilha Vilela, sscc
Arcebispo emérito

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS