buscar
por

Os pais de Maria

No dia 26 de julho, celebramos a Memória de São Joaquim e Santa Ana, Pais de Maria Santíssima.

A referência aos pais de Nossa Senhora aparece no Protoevangelho de Tiago, que narra o nascimento milagroso da Virgem Maria, pois o casal era estéril. Apesar de não serem reconhecidos canonicamente, os evangelhos apócrifos contêm informações que foram aceitas por fazerem parte de antigas tradições orais.

Graças à Tipologia ensinada pela Igreja – que significa ver nas obras de Deus na Antiga Aliança (AT), as prefigurações (figuras antecipadas) daquilo que Deus realizou na plenitude dos tempos na pessoa de Jesus Cristo (NT) – reconhecemos a pedagogia divina preparando o nascimento da Virgem Maria ao longo da história do seu povo.

A história do casal São Joaquim e Santa Ana encontra paralelismo com a história de outras figuras bíblicas relevantes: Abraão e Sara (Gn 12), que apesar da idade avançada de ambos e da esterilidade de Sara, conceberam o filho da promessa; bem como a de Elcana e Ana – também estéril – (1 Sm 1), pais de Samuel.

O Papa Bento XVI, no seu “A Filha de Sião: a devoção mariana na Igreja”, afirma que nas mães e nas redentoras do AT, em sua esterilidade fecunda, manifesta-se de maneira pura e profunda, o que vem a ser a Criação e a Eleição (a história da Salvação). Porém, o significado definitivo é alcançado no NT, em Maria, a mulher que é designada como a autêntica Filha de Sião e se torna a Mãe do Salvador, a Mãe de Deus.

Também nessa data, temos a comemoração civil do Dia dos Avós, numa relação direta com os avós maternos de Jesus Cristo. Além da reflexão sobre o sentido teológico da paternidade/maternidade do casal Santos Joaquim e Ana, é momento para pensar sobre a importância dos idosos. Em sua Carta aos Anciãos (1999), o Papa João Paulo II apresenta uma lista de idosos, com os quais Deus age e são verdadeiros modelos de fé: Abraão e Sara (Gn 12); Moisés; Tobias (Tb 3, 16-17); Eleazar (2 Mc 6, 18-31); Isabel e Zacarias, pais de São João Batista (cf. Lc 1,5-25.39-79); Simeão, que há longo tempo esperava o Messias (Lc 2, 29); Ana, viúva de oitenta e quatro anos, assídua frequentadora do Templo, que tem a alegria de ver a Jesus quando foi apresentado no Templo.

Ao fazer referência a esses modelos de fé, o Papa João Paulo II acentua que os idosos (anciãos) podem contribuir com os conselhos enriquecidos pela experiência amadurecida da vida. Daí, a importância da solidariedade que ligam as gerações entre si, de modo que todos possam se enriquecer mutuamente.

Vitor Nunes Rosa
Professor de Filosofia na Faesa 

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS