buscar
por

Os cabelos da alma

O fim de ano se aproxima e é comum fazermos alguma avaliação do ano que passou. A pergunta que nos vem espontaneamente é: Esse ano foi bom? Para as pessoas dinheiristas a resposta é simples: se ganhou dinheiro o ano foi bom, mas se perdeu dinheiro o ano foi ruim. Simples assim! Todavia, sabemos que a vida, e o ano que passou, são constituídos de muitas outras coisas mais importantes e essenciais do que apenas as coisas materiais.

São João da Cruz, místico carmelita espanhol, escreveu que deveríamos frequentemente avaliar a própria vida ou, em termos religiosos, fazer o exame de consciência. Para o místico examinar a si mesmo é como pentear o cabelo, quanto maior a frequência, menos enleado e solto ficará o cabelo, mas, quanto menos se penteia, mais emaranhado e desalinhado ficará.

Algumas pessoas têm a vida tão emaranhada e desalinhada que vivem sofrendo e fazendo sofrer aos que estão ao seu redor. São as pessoas complicadas. O contrário da complicação é a simplicidade. A pessoa simples é descomplicada nos seus relacionamentos. Ela torna a vida ao redor de si mais leve, mais linear, luminosa, feliz…

A vida não é fácil, por isso precisamos dos dons do Espírito Santo que nos iluminam com a sabedoria e nos fortalecem na luta da existência. O cristão sempre vai combater o bom combate da fé sabendo que não está sozinho ou abandonado na vida. Ele sabe que tem um Pai amoroso, que enviou seu Filho Jesus para nos salvar e ensinar o caminho da vida. Sabe também que recebeu o Espírito Santo que o acompanha e santifica ao longo da existência.
Se a nossa avaliação for sincera, necessariamente os sentimentos de gratidão e louvor a Deus jorrarão do nosso coração.

Quanto aos nossos erros, fracassos e sofrimentos, os colocaremos todos no Coração de Deus. Ele nos acolherá e o seu infinito amor nos purificará e transformará. Assim sendo, o cristão sempre gritará em seu íntimo: ano velho feliz, ano novo feliz, por que Deus é a causa da minha alegria. Meu Deus, meu tudo!

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS