buscar
por

O que significa pecar em pensamentos, palavras, atos e omissões?

RELIGIÃO
Pe. Ivo Ferreira Amorim
Vigário geral da Arquidiocese de Vitóra

O que significa pecar em pensamentos, palavras, atos e omissões?

Na fórmula “Confesso a Deus…” tocamos em palavras significativas, que merecem nossa atenção e meditação. Dizemos que confessamos nossos “pensamentos, palavras, atos e omissões. São palavras proclamamos com nossos lábios, frutos de uma consciência que, diante de Deus e de sua assembleia, reconhecem a necessidade de mudanças e conversão.

Pecar em pensamentos é uma expressão da fórmula “confesso a Deus todo poderoso…”. Com frequência somos tomados por pensamentos ruins, desordenados, causadores de sofrimento para nós mesmos e para o próximo, que precisam serem eliminados da mente. O esforço humano para evitá-los e esquecê-los é fundamental. Nesse empenho humano, contamos com a ação divina;

Pecar em palavras é uma ação humana causadora de muitos males. São situações ou ocasiões que soltamos palavras grosseiras, maldosas, carregadas de rancor e ódio… São os pecados da língua que  podem ser graves e causadores de muitos males e morte.

Pecado em atos é outra expressão que proferimos na fórmula do “confesso a Deus…” que diz respeito às nossas atitudes humanas, que muitas vezes nos envergonha como lembra o Apóstolo Tiago (5,16). Certas atitudes, muitas vezes impensadas, causadoras de sofrimento humano, incompatível com a vida cristã.

Pecar por omissões é deixar de fazer o bem. Aprendemos com Jesus a fazer o bem, sendo socorro para o próximo (Lc 10,30-37), colocando nossos talentos a serviço (Mt 25,24-30.41-46) do bem comum.

O importante é crescermos na compreensão e consciência, de que em cada fórmula do rito penitencial, a Igreja está nos convidando a nos colocarmos diante de Deus, do próximo e de nós mesmos, reconhecendo quem somos, manifestando nosso propósito de melhorar.  Nesse esforço humano, contamos com à graça de Deus que nos reconcilia para que sejamos fontes de reconciliação.

 

TECNOLOGIA
Raonny Lourenço
Diretor de tecnologia da Informação

Como saber que um site é seguro para realizar uma compra pela Internet?

Alguns fatores devem ser levados em consideração quando pensamos em efetuar uma compra online.

A primeira coisa a se observar é a qualidade visual do site. Sites maliciosos costumam ser construídos de maneira rápida, portanto a qualidade visual acaba ficando em segundo plano.

Outra boa prática é pesquisar sobre a loja no Google e sites de reputação como o Reclame Aqui e o próprio site do Procon.

Antes de fornecer suas informações pessoais, é importante verificar se os dados do site trafegam em ambiente seguro, e a maneira de fazer isso é através do link do site que deve iniciar com HTTPS e deve possuir um cadeado verde ao lado do link.

Por fim, é indispensável verificar os meios de contato com o site, seus telefones, endereço, e-mail, FAQ e os dados como CNPJ e responsável pela empresa.

 

ECONOMIA
Eduardo Araújo
Presidente do Conselho Regional de Economia

Qual a diferença entre crise política, crise fiscal e crise econômica?

A crise política refere-se aos problemas de conduta ética, de escândalos de corrupção e de conflitos envolvendo pessoas que exercem mandatos eletivos nas diferentes esferas do setor público. A crise política afeta a economia no sentido de gerar fragilidade institucional e de ampliar as incertezas quanto ao marco regulatório e sobre a formulação de políticas públicas. Nesse sentido, prejudica a tomada de decisão de empresas, que acabam adiando os investimentos por conta da insegurança quanto ao futuro.

A crise fiscal está relacionada a um desequilíbrio estrutural das finanças públicas. Trata-se dos casos de déficits nas contas públicas. É a incapacidade do Estado em cumprir todos os compromissos financeiros. Trata-se de situação de crescimento do endividamento público, decorrente dos casos em que a arrecadação de impostos e de outras contribuições serem inferiores aos gastos e investimentos realizados pelo setor público.

A crise econômica se caracteriza pela redução no volume de negócios das empresas, da desaceleração da atividade produtiva no país. É configurada pelas sucessivas quedas do indicador estatístico, o Produto Interno Bruto (PIB). O resultado da crise econômica é a queda do número de empregos e da renda das famílias, que acabam produzindo redução do bem-estar social para população. A superação da crise política e da crise fiscal são condições necessárias para superação da crise econômica.

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS