buscar
por

O Peregrino e o Caminho - Um encontro na intimidade de Deus

Livro02O livro “O peregrino e o caminho. Um encontro na intimidade de Deus” de Padre Paulo Sergio Vaillant, é uma proposta de reflexão sobre o sentido da vida a partir de uma experiência pessoa realizada em 1997.
Com base no peregrinar de 15 dias a um período de 90 dias no Mosteiro Beneditino Ecumênico em Goiás, padre Paulo utiliza ‘o caminho’ como metáfora para narrar sua experiência.
O texto é narrado em ordem cronológica e cheio de riqueza nos detalhes dos diálogos e percepções do peregrino.
Contação de histórias? Crônicas? Um pouco disso tudo em textos agradáveis que compõem este relato que sugere pensamentos sobre o caminho espiritual.

O livro tem 128 páginas divididas em 15 capítulos. Leitura fácil e envolvente. Está à venda nas livrarias das editoras Paulus, Paulinas e em vendas@loyola.com.br

Padre Paulo Sérgio Vaillant
Entrou na Companhia de Jesus (padres jesuítas) em 1981 onde permaneceu até 2007. Fez Filosofia e Teologia na FAJE, Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia. Hoje é pároco na paróquia Santíssima Trindade em Vila Capixaba, Cariacica na Arquidiocese de Vitória, ES.

Como surgiu o desejo de realizar uma peregrinação?
Era uma vontade cultivada desde a época em que eu era jesuíta, na década de 80. Era uma tradição dos jesuítas realizar uma peregrinação, mas depois isso acabou. Entretanto, o desejo ficou em meu coração. Tinha vontade também de fazer uma esvaziamento material e emocional. Estava precisando me livrar de alguns “pesos”. Depois de dar tudo o que eu tinha para os outros, iniciei peregrinação no interior de Minas Gerais, em direção ao Mosteiro Beneditino Ecumênico, em Goiás, onde vivi três meses meditando.
Na mochila levei apenas duas mudas de roupas, uma manta, a Bíblia, o livro “Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola”, um caderno para anotações e o livro “O Relato do Peregrino Russo”. Sem dinheiro, a pé e fazendo um percurso desconhecido para mim, fiz todo o roteiro sem me identificar como padre, pois não queria que as pessoas me ajudassem pelo fato de eu ser um religioso. Eu queria fazer uma experiência de espelho me vendo no outro, ou seja, ver no outro como o outro estava me vendo. Me colocar no lugar do outro e pensar: como eu recebo um estrangeiro, como eu reajo quando um mendigo se aproxima, como eu recebo uma pessoa que bate em minha porta pedindo alimento ou abrigo.

Por que a demora em lançar o livro?
Bem, é uma experiência muito pessoal, mas fui convencido a divulgar pelo amigo Francisco Taborda, padre jesuíta de Belo Horizonte, que foi quem fez o roteiro da peregrinação para mim. Foi ele também quem preparou as leituras para a minha mediação diária. Por isso, quando ele pediu para ler minhas anotações sobre o peregrinação, me incentivou muito a transformá-las em um livro.

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS