buscar
por

O ESPÍRITO SANTO NA AÇÃO LITÚRGICA

Freska u kaloti krstionice, manastir Žièa, SrbijaA liturgia é obra que se dá pelo dom da Igreja, realizada pelo Pai em Cristo, na unidade do Espírito Santo. É a vitalidade do corpo de Cristo, formado pelos batizados.
O Espírito Santo é que potencializa as ações litúrgicas da comunidade de fé, para que a memória dos feitos criadores de Deus, por intermédio do seu Filho Jesus Cristo, sejam reconhecidos em cada etapa da história (cf. Jo 14,26).

Ao focar a dimensão do Espírito, não se trata de declarar uma ação isolada do mesmo, mas de reconhecer a unidade da ação trinitária, na distinção de cada pessoa e na mesma natureza divina, ou seja, os Três são um só Deus.

Bem celebra o prefácio da Santíssima Trindade, conforme o Missal Romano: “Tudo o que revelastes e nós cremos a respeito de vossa glória atribuímos igualmente ao Filho e ao Espírito Santo. E, proclamando que sois o Deus eterno e verdadeiro, adoramos cada uma das pessoas, na mesma natureza e igual majestade”. A assembleia reunida para celebrar é ação do Espírito: ele conclama e ao mesmo tempo move a interioridade dos que se dispõe a celebrar o mistério de Cristo. Ele, ainda, reúne e inclui, em consciência e eficácia, os que andam dispersos, a fim de que vivam a unidade do único povo de Deus, em Cristo (cf. Jo 11,52 e Jo 12,32).

Ao preparar a comunidade para reviver a obra ressuscitadora de Cristo – o seu mistério pascal, pelo ápice da liturgia, o Espírito Santo dá legitimidade e eficácia às ações sacramentais celebradas pela Igreja. O gesto ritual de invocação ao Espírito sobre as pessoas e os elementos materiais, denominado de epíclese (do grego “epi-kaleo”, “chamar sobre”), significa a transformação dos mesmos.

Na liturgia eucarística há duas epícleses. A primeira é a que o presbítero pronuncia sobre os dons de pão e vinho, com as mãos estendidas sobre eles, dizendo: “Por isso, nós vos suplicamos: santificai pelo Espírito Santo as oferendas que vos apresentamos para serem consagradas, a fim de que se tornem o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, que nos mandou celebrar este mistério”.

A segunda epíclese, depois do memorial e da oferenda, é a que o presbítero pede a Deus que envie o seu Espírito sobre a comunidade que vai participar da Eucaristia, a fim de que ela também seja transformada: “Olhai com bondade a oferenda da vossa Igreja, reconhecei o sacrifício que nos reconcilia convosco e concedei que, alimentando-nos com o Corpo e o Sangue do vosso Filho, sejamos repletos do Espírito Santo e nos tornemos em Cristo um só corpo e um só espírito”.

Ainda, o gesto da epíclese é vivenciado sobre a água, os óleos, os crismandos, os ordenandos, os doentes e os noivos, dando eficácia a todos os sacramentos.

A comunicação do Espírito Santo é a obra continuada da salvação, e memorial da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor, ápice e magnitude da criação!

Fr. José Moacyr Cadenassi
OFMCap

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS