buscar
por

O DESTINO DE PILHAS E BATERIAS DESCARTADAS NO MEIO AMBIENTE É O CORPO HUMANO

A cada dia que passa aumenta o consumo de pilhas e baterias (celular, computador, som, controle remoto, brinquedos). De alguma forma todos ouvimos que é necessário descartá-las corretamente para evitar prejuízos à saúde e ao meio ambiente. Mas parece que essa informação não chega ou não altera o comportamento humano. O que precisamos, então entender para mudar de atitude?

09 extraAs pilhas e baterias enquanto estão em funcionamento não oferecem qualquer perigo. O problema está no conteúdo delas e, por isso, quando estouram, são amassadas ou sofrem alterações nas cápsulas que as envolvem provocam o vazamento do líquido que é de metais pesados e tóxicos prejudicais ao ambiente.

O descarte desses objetos deveria ser feito em aterro sanitário, o único preparado para evitar a contaminação do solo. Infelizmente na maioria dos casos as pilhas e baterias são descartadas junto com o lixo comum ou em aterro e acabam trazendo consequências indesejadas sobre as quais não existem dados estatísticos.

O líquido tóxico das baterias e pilhas não é biodegradável e ao ser jogado em locais não preparados para recebê-lo, penetra no solo e atinge o lençol freático contaminando a água. Esses metais voltam à superfície pelas nascentes indo para os rios e pela evaporação indo para as nuvens, retornando pela chuva e consequentemente para o corpo humano pela água contaminada que bebemos. Quando ingerimos metais pesados eles não são eliminados pelo organismo e ao longo do tempo podem provocar doenças.

Será que as estações de tratamento de água eliminam esses metais?

Não sabemos ao certo, mas podemos contribuir para que eles não cheguem lá. Se evitarmos descartar esses metais no solo evitamos também a contaminação da água.

(Texto construído com informações de Marco Bravo, ambientalista)

ENTÃO O QUE FAZER?
1. Separe pilhas e baterias em desuso e acumule em lugar segura para que não sofram alterações;

2. Procure uma empresa que faça coleta desses materiais (agência de banco, supermercado, lojas de eletrônicos, etc.);

3. Caso não encontre nas proximidades de sua residência ou emprego, procure a Secretaria de Meio Ambiente do Estado ou da Prefeitura e exija que postos de coleta sejam colocados nessas regiões.

Perguntamos à Seama/Iema, Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos:

1. Existe lei estadual que regulamente a coleta e reciclagem de pilhas e baterias?
- A legislação federal da Política Nacional de Resíduos Sólidos é que regulamenta, atualmente, a logística reversa.

2. Existem postos de coleta no Estado do Espírito Santo?
- Os próprios empreendimentos que fazem a venda dos produtos devem ser considerados pontos de coleta.

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS