buscar
por

“Não fecheis o coração, Mas ouvi hoje a voz de Deus” (Sl 94)

O Salmo 94 celebra a realeza do Senhor, num convite constante, dirigido a todo o povo, de celebrar os louvores ao Deus Altíssimo, Senhor do céu e da terra. O cenário no qual o Salmo é entoado é o do Templo de Jerusalém, a morada do Deus Único e Verdadeiro, no qual, todo o povo reunido é convidado a reconhecer a presença daquele que liberta e salva e, diante Dele, entoar os seus louvores e hinos. Nessa atmosfera de louvação e júbilo, o salmista convida aos filhos e filhas de Israel a recordarem as grandes maravilhas que o Senhor operou, são convidados a fazer uma memória agradecida dos gestos de bondade e amor que Ele realizou em favor do seu povo eleito.

O Senhor é o mesmo ontem e hoje, nesse sentido, o salmista recorda a presença constante de Deus junto aos seus e o modo como os conduziu e protegeu em todos os seus caminhos. No refrão do Salmo se canta: “Não fecheis o coração, ouvi hoje a voz de Deus”, um apelo que sobe junto com a fumaça do incenso no Templo e chega aos corações do filhos e filhas de Israel, acolhidos na presença do Senhor. Esse refrão é como um convite à escuta atenta da voz do Senhor, que é o mesmo sempre e que tem guiado o povo nos seus caminhos e em sua história. Sendo assim, esse salmo, tantas e de muitos modos entoado na Liturgia da Igreja, é uma palavra a ser acolhida e vivida no cotidiano. Algo que se confirma, pois, o salmista ao utilizar a palavra “hoje”, não se refere somente a um dia específico, mas ao arco de toda a vida, isto é a vida inteira. Sendo assim, torna-se um convite, dirigido a todos, à escuta perene e constante da voz do Senhor, Pastor e Guia de Israel.

Aquele que ouve a voz do Senhor, busca a Sua Palavra é capaz de compreender e discernir o caminho justo, aquele que conduz à uma vida segundo os valores do Evangelho. O Salmo 94 traz em si esse grande apelo para o tempo presente, marcado por tantas vozes e tanto barulho, que não somente perturbam, mas, muitas vezes roubam a atenção para as coisas essenciais.

De fato, por vezes, as pessoas se perdem em seus caminhos e são levadas por vozes que procuram chamar a atenção para propostas, objetivos e projetos completamente vazios de sentido. O cristão, chamado a seguir Jesus Cristo e ter em si as marcas do Evangelho, é convidado a ouvir a voz do Senhor, deixar-se guiar por ela e moldar-se pela sua força transformadora. Somente nesse contato íntimo com o Senhor, por meio da escuta atenta e constante de Sua Palavra é que são formados os verdadeiros discípulos missionários. Homens e mulheres chamados a dar razões da sua Fé em todos os espaços da sociedade, ainda marcada por tanta exclusão, miséria, violência, que são sinais contrários ao Reino de Deus. Por isso, a escuta atenta da voz do Senhor, a que convida o salmista, é o caminho seguro para todos os que desejam dar passos firmes no seguimento de Cristo. De modo que, formados pela Palavra que vem de Deus, agraciados e libertos pela autoridade e pela força da Palavra, podem ser enviados a levá-la a todos que ainda a esperam e por ela anseiam.

página_28_29

Pe. Andherson Franklin
Professor de Sagrada Escritura no IFTAV e doutor em Sagrada Família

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS