buscar
por

EXCESSO DE INFORMAÇÃO TAMBÉM É CENSURA

“EXCESSO DE INFORMAÇÃO TAMBÉM É CENSURA”
Zuenir Ventura

Não se pode tirar do contexto, em que foi algumas vezes dita, a afirmação de Zuenir Ventura sobre o fato de que o excesso de informação torna-se um tipo de censura. E ele o diz em relação especialmente aos jovens que afirmam que, de algum modo, vivem sob censura. Tem razão o Zuenir. O que vivemos hoje está absolutamente distante e diverso do que o Brasil viveu há cinquenta anos. Atrofiada pelo poder de exceção, autoritário e ditatorial, a informação não circulava. Era um problema de natureza ética, político-ideológica mas, acima de tudo, de direitos humanos. A informação era censurada, as pessoas enganadas e os que conseguiam enxergar que o País estava mergulhado nas sombras e emudecimento eram banidos ou exterminados.

Mudanças profundas têm sido experimentadas pelas sociedades em termos de seus processos de midiatização e de interação. Passamos, em poucas décadas, do excessivo controle para a desregulamentação e total descontrole. No caso em tela, do Brasil, o fenômeno não é menos complexo. Talvez, de algum modo, até mais difícil de compreender. Se passamos de uma pré-modernidade (com imprensa, mas com uma população majoritariamente de analfabetos) para uma modernidade tardia (a rápida chegada da mídia eletrônica massiva – rádio e, em seguida, a tv), a pós-modernidade nos tomou de assalto, encontrando-nos em precária situação de educação formal e de ausência de efetivos programas e políticas públicas de fomento da cultura, da arte e da cidadania.

As comunidades mais carentes buscam suas próprias soluções e caminhos. Isso também é cultura. E é o que lhes dá ainda raízes. Mas sofrem, de modo talvez ainda mais perverso, os efeitos da super oferta de informação. Boatos, fake News, a metralhadora giratória ideológica do neoconservadorismo, os conteúdos de apologia ao crime e a intolerância… a internet canaliza e faz vazar de seu leito um tsunami de discursos de ódio e banalização da vida que desestruturam os bons projetos e iniciativas de construção de uma cultura de paz. Embora o discurso cidadão e da solidariedade. Nessa perspectiva, há muita censura. A internet nos salva da desinformação. Mas como nos salvar da internet?

img 19

Mozahir Salomão Bruck
PUC Minas

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS