buscar
por

EM MEMÓRIA A DOM SILVESTRE

A ARQUIDIOCESE DE VITÓRIA O APLAUDE E GUARDA SUA SERENIDADE

Humildade, serenidade, caridade, humanidade, defensor dos pobres, dos injustiçados, dos perseguidos, misericordioso… a verdade é que faltam adjetivos e títulos para definir a vida e a missão de pastoreio de Dom Silvestre Luiz Scandian.
Um homem que doou sua vida a Deus e que apesar de sua mansidão sabia como ninguém se colocar contra o que achava injusto, abusivo ou criminoso.

Foram 87 anos de vida, 67 anos de consagração religiosa, 60 anos de sacerdócio ministerial e quase 44 anos de vida como bispo, que seriam completados no dia 22 de fevereiro, dia em que foi celebrada a Missa de 7º dia em sua memória, na Catedral Metropolitana de Vitória. Dos anos dedicados ao episcopado, 20 deles foram no pastoreio da Arquidiocese de Vitória, “na força do Espírito Santo”, como era o seu lema.

A morte de Dom Silvestre foi uma imensa perda para a Igreja de Vitória e para a sociedade capixaba, que o viu ir se apagando aos poucos.

As complicações com relação a sua saúde começaram a partir de 2010 com o aparecimento de falhas de memória que evoluíram para a doença de Alzheimer, passando a ter uma vida mais reclusa sob a atenção de cuidadores.

Em setembro de 2018 para poder receber mais cuidados foi para a cidade de Juiz de Fora, MG, onde ficou na Casa de repouso dos padres do Verbo Divino, Congregação à qual Dom Silvestre pertencia. Por conta de uma infecção foi internado no mês de outubro do mesmo ano, onde permaneceu até sua morte, ocorrida no dia 16 de fevereiro de 2019.

Dom Silvestre chegou a Vitória em 1981, uma de suas primeiras ações foi realizar a Grande Avaliação (Grava). Nela compreendeu a estrutura da Arquidiocese e passou a defender o modo de ser Igreja da Arquidiocese de Vitória, com a valorização da organização em pequenas comunidades e a opção preferencial pelos pobres. Isso o levou a apoiar os movimentos e as pastorais sociais e de direitos humanos.

Na década de 90 convocou a OAB e outros organismo da sociedade civil para fazer frente à problemática da violência no estado, o que culminou na criação do Fórum Reage Espírito Santo. Tendo como aliado Dr. Agesandro da Costa Pereira, então Presidente da OAS/ES, mobilizou a sociedade capixaba contra o crime organizado e provocou uma atitude forte da Justiça no combate ao crime. Recebia ameaças de morte, mas nunca aceitou proteção policial.

Em seus pronunciamentos públicos, como Festa da Penha, Abertura da Campanha da Fraternidade e Grito dos Excluídos era direto, simples e conciso ao mesmo tempo que era incisivo quando se tratava de Direitos Humanos e defesa da vida.

Durante seu governo conseguiu trazer a visita do Papa João Paulo II (em 1991) e a realização em Vitória do XIII Congresso Eucarístico Nacional (em 1996).

DATAS IMPORTANTES:

Ordenado padre em 3 de agosto de 1958.

Fez licenciatura em Teologia na Pontifícia Gregoriana até 1960.

Fez Sociologia na Escola de Sociologia e Política de São Paulo de 1964 a 1966.

Foi Provincial na Congregação dos Padres do Verbo Divino de 1973 a 1974.

Eleito bispo de Araçuaí em 24 de janeiro de 1975 e ordenado bispo em 22 de fevereiro de 1975Foi nomeado Arcebispo coadjutor em 18 de agosto de 1981.

Tomou posse em Vitória em 5 de novembro de 1981.

Tornou-se emérito em 19 de abril de 2004 (nesse ano Dia de Nossa Senhora da Penha).

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS