buscar
por

Como o Jazz

Li que ao perguntarem ao grande trompetista norte americano Louis Armstrong o que é o jazz, ele teria respondido: “Quando ouvir você saberá!” Creio que em relação às coisas de Deus vale o mesmo princípio.

Quando você fizer a experiência de Deus, então saberá quem é Deus. Sem a experiência, as coisas de Deus tornam-se teorias ou palavreados abstratos e vazios. De fato, “não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande ideia, mas pelo encontro com um acontecimento, com uma Pessoa (Jesus Cristo), que dá um novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva”, cita Papa Francisco (EG 7).

Quem fez a experiência do amor de Deus, ou seja, percebeu-se interiormente amado e acolhido pelo Pai, apesar de saber-se absolutamente não merecedor desse amor – o que aumenta em nós a gratidão pelo amor generoso e gratuito de Deus – ele passa a ver a vida como um dom e percebe tudo ao seu redor como uma manifestação do infinito amor do Pai. Essa alma gosta das pessoas, gosta de gente, gosta da vida. Daí poder exclamar como Santa Teresinha: “Tudo é graça!”.

Quem não fez a experiência do amor de Deus, sente-se órfão e abandonado no mundo. Não enxerga beleza e alegria em coisa alguma. Essa triste pessoa não gosta de gente, ela detesta e despreza as pessoas ao seu redor. Elas terminam seus dias sozinhas e mal humoradas.

Só o amor faz o ser humano ser feliz. Só o amor maior (amor de Deus!) é capaz de preencher a alma humana. Não nos contentemos com as migalhas do amor humano, tornando-nos mendigos afetivos, sofrendo com a alma vazia, enquanto o Pai nos oferece o sólido e abundante alimento do seu infinito amor. Deus é o pão da vida e quem comer desse pão jamais terá fome e quem beber dessa água viva tornar-se-á fonte. Aliás, escreveu o Papa Francisco: “somos chamados a ser pessoas-cântaro para dar de beber aos outros. Às vezes, o cântaro transforma-se numa pesada cruz, mas foi precisamente na Cruz que o Senhor, trespassado, se nos entregou como fonte de água viva. Não deixemos que nos roubem a esperança!” (EG 86).

Dom Rubens Sevilha, ocd
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Vitória

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS