buscar
por

CAPITALISMO É...

“Os que no regime capitalista trabalham não lucram, e os que lucram não trabalham.”
(Karl Marx)

Capitalismo é o sistema econômico – e político, social e cultural – predominante no mundo ocidental contemporâneo. Surgiu em meados do século XV, em substituição ao Feudalismo, que imperou na Europa na Idade Média, entre os séculos V e XV. No lugar do feudal (dono de grandes propriedades de terra) o capitalismo criou a burguesia (dona dos meios de produção) instaurando um modelo de estruturação social e econômica, cuja força motriz é a obtenção do lucro, o que leva, necessariamente, ao acúmulo de riquezas.

A lógica é mais ou menos simples: quanto mais riqueza, mais empresa e mais emprego; quanto mais empresa e emprego, mais gente trabalhando; quanto mais gente trabalhando, mais desenvolvimento econômico e social.

Para obter o lucro e o acúmulo de riquezas, o sistema capitalista se sustenta em alguns pilares como:

• A propriedade privada, na qual o sistema de produção pertence a uma pessoa ou a um grupo de indivíduos. São indústrias, empresas, serviços, agronegócios, entre outros.

• O trabalho assalariado, ou seja, uma remuneração em troca da sua força de trabalho.

• A economia de mercado, conhecida como livre mercado. Na teoria, a lei da oferta e da procura determina os preços a partir da oferta de produtos em concorrência em busca de consumidor.

Entre os pontos positivos do capitalismo está o fato de valorizar a iniciativa individual, segundo as aptidões e particularidades de cada um. Pela lógica capitalista, o progresso, o sucesso, o desenvolvimento de cada pessoa depende apenas dela.

Para os críticos, contudo, essa lógica não vem acompanhada da igualdade de oportunidade para todos. Ou seja, o filho do patrão tem mais oportunidade de vencer na vida do que o filho do trabalhador.

Outra crítica contundente é que o capitalismo cria duas classes sociais: a dos donos dos meios de produção, que são minoria e detêm o poder e o lucro: empresários, banqueiros, fazendeiros…; a dos donos da força de trabalho: trabalhadores do campo e da cidade, que trabalham para a produção desse lucro e é a imensa maioria. Aqui está a raiz da afirmação acima de Marx.

Cabe, por fim, destacar uma terceira classe social criada pelo capitalismo: a dos deserdados, excluídos do sistema, que não conseguem sequer emprego e vivem à margem da sociedade de consumo, integrando o que Marx chama de “exército de reserva de mão de obra”.

A enorme desigualdade social é o ‘calcanhar de Aquiles’ do capitalismo.

Elson Faxina
Jornalista e Professor da UFPR

 

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS