buscar
por

A ESPIRITUALIDADE NA DIVERSIDADE DE PENSAMENTOS

“Assim, os elementos entre si se harmonizam como na harpa, em que as notas modificam a natureza do ritmo, conservando, todavia, o mesmo tom”. (Sab 19,18)

As Escrituras Sagradas ensinam que o Espírito de Deus encheu o universo de vida com formas, cores e sons diferentes, diversificando a humanidade em vários talhes corporais e culturais que formam a identidade dos povos. Deus fez a humanidade diversa e não uniforme! São Justino afirma que a “Semente do Verbo” habita o gênero humano e está nas culturas, em todo tempo e lugar. Quem pode opor-se à vontade de Deus?

Desde os primórdios, a fé cristã compreendeu que a diversidade é um dom para a Igreja e uma característica indelével do Espírito Santo, como encontramos na teofania de Pentecostes (At 2, 2-4), quando os apóstolos falaram uma língua entendia pelos judeus de diversas partes do mundo, que os compreendiam em seu próprio idioma, ensinando que o diverso pode ser unido pela comunicação.

Santa Teresa de Calcutá gostava de dizer: “talvez não fale a língua deles, mas posso sorrir”, mostrando que existe uma linguagem universal, compreensível a todos, quando, ao invés de erguermos barreiras, construímos pontes para nos aproximarmos uns dos outros. A diversidade é o Dom maior do Espírito à Igreja, desde que a acolhamos e cultivemos, amando incondicionalmente o diferente.

São Paulo ensina na Primeira Carta aos Coríntios, capítulo 12 que ela também precisa ser compreendida e organizada para que os membros do corpo de Cristo, a Igreja, sejam harmonizados, caso contrário, ela o dividirá como foram esquartejados os corpos dos mártires e, hoje, são esquartejados os corpos dos pobres, quando abandonados pela Igreja, enredada pelos seus dramas e conflitos internos.

É a diversidade que nos molda na fé, uma vez que no encontro com o diferente confrontamos nossas verdades e encontramos as verdades do Evangelho, por isso, no capítulo 13 da Primeira Carta aos Coríntios, São Paulo dedica uma ode ao amor afirmando que sem amor, a diversidade na Igreja e no mundo não serve para nada.

Padre Kelder José Brandão Figueira
Pároco da Paróquia Santa Tereza de Calcutá

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS