buscar
por

A ACLAMAÇÃO DE TODO UM POVO

MUNDO LITURGICO 1Nas circunstâncias da vida, quando alguém experimenta uma grande alegria, pessoal ou coletivamente, vibra de inúmeras formas, em palavras e expressões, as quais podem até culminar numa grande festa. Assim também ocorre no plano da liturgia cristã, e particularmente na ação litúrgica da Eucaristia, que é, por excelência, a vivência das alegrias pascais. Por isso, de forma decisiva e exultante, a assembleia comunica, em ação de graças, o sentido da fé celebrada:

Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus!

Parte integrante da oração eucarística, esta aclamação situa-se no conjunto ritual chamado de memorial (consagração), após a invocação do Espírito Santo sobre os dons de pão e vinho e a narrativa da instituição. É denominada de aclamação memorial, pois evoca a realidade e a eficácia sempre atual do mistério pascal de Cristo.

A Igreja, povo de Deus, por meio desta fórmula ritual, perenemente anuncia a vitória de Cristo sobre o mal e a morte, na força da sua ressurreição, e assume tal realidade como causa e sentido de sua vida e missão no mundo. Ao completar com o “Vinde, Senhor Jesus!”, é expressado o profundo desejo de que em Cristo tudo seja consumado, como abertura à parusia.

Todas as aclamações litúrgicas, e em particular as que pertencem à oração eucarística, são ainda mais valorizadas em sua originalidade e função ministerial quando cantadas. O canto brota da experiência profunda do texto, seja por parte do compositor que criou a melodia, como por parte da assembleia que aclama cantando. Lembrar que a melodia é a serva do texto, e não o contrário.

Do ponto de vista simbólico e musical é valoroso conservar, durante toda a oração eucarística, nas partes cantadas pela assembleia, a mesma tonalidade, para expressar a unidade da Igreja celebrante: um só povo que bendiz o único Deus e Pai, através do único mediador e intercessor Jesus Cristo. Na Eucaristia, um só pão e um só cálice: corpo e sangue como expressão do amor indivisível do Senhor.

A atitude corporal de cantar em pé a aclamação memorial indica a realidade de ressurreição integrada e vivida pela assembleia dos eleitos, mediante a graça batismal, a qual é sinal vivificante da Páscoa de Cristo. Estar em pé é símbolo de, com Cristo, estar ressuscitado!
Em uníssono, seja a aclamação memorial a aclamação de todo um povo que já vive a dinâmica de novos céus e nova terra!

Fr. José Moacyr Cadenassi
OFMCap

editor1

Arquidiocese

Fundada em 1958 e abrangendo 15 municípios do Estado do Espírito Santo conta com 73 paróquias. Desde 2004 D. Luiz Mancilha Vilela é o arcebispo da arquidiocese.

Mais posts do autor

COMENTÁRIOS