buscar
por

Seminaristas e padres comemoram aniversário de Dom Luiz Mancilha Vilela

“O coração da Arquidiocese é o seminário”. Desse modo carinhoso, o arcebispo metropolitano de Vitória, Dom Luiz Mancilha Vilela, iniciou sua homilia, hoje, sexta-feira, 11 de maio de 2018, no Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora da Penha. A missa festiva foi o momento forte da comemoração de seu 76° aniversário natalício.  Participaram os seminaristas, os propedeutas, alguns padres e o reitor e vice-reitor do Seminário.

Além da celebração houve almoço e um agradecimento em forma de discurso (panegírico), feitos pelos seminaristas realçou momentos da história de Dom Luiz e suas principais recomendações aos candidatos ao sacerdócio da Arquidiocese feito pelos seminaristas. Leia o discurso aqui.

b317e25b-3340-43b7-b21f-20a5e17d6122

Na homilia, dom Luiz ressaltou que o seminário deva ser compreendido como “local de comunhão e unidade, um tempo favorável à educação de nossa fé, para adequarmos nossa busca de fé”. “Que devemos buscar ser santos no caminho da verdade, da justiça e do amor”.

“Eu continuo vivendo desde o meu batismo, o mistério pascal na obediência aos desígnios de Deus, exultando e bendizendo o Senhor por tanta coisa bonita, tantas pessoas santas perto de mim, tantos discípulos e discípulas que dão a vida por esta igreja”, disse Dom Luiz.

De acordo com o Arcebispo: “Tenho falado aos seminaristas que procurem ser santos porque o povo de Deus tem direito de esperar isto de uma pessoa consagrada, sobretudo de um padre e de um bispo. Nestes anos de vida posso dizer-lhes que minha vida tem sido páscoa em todos os momentos. O seguimento de Jesus Cristo implica em viver nos seus passos, na Paixão, Morte e Ressurreição e isso só será possível com a força da Graça Divina que não falta. Pelo batismo nós somos mergulhados no mistério Pascal. Só será possível viver a páscoa se buscarmos, com seriedade, sermos santos todoas os dias”.

Ainda na homilia, Dom Luiz, lembrou aos Seminaristas, “ que sejamos como diz o papa Francisco, uma igreja em saída, a igreja deve sair de si mesma, rumo às periferias. O seminário é o local dessa liberdade que temos que crescer para formar mistagogo – homens mergulhados no mistério”, declarou Dom Luiz.

Dom Luiz, que recentemente pediu renúncia ao Papa Francisco, declarou “agradeço a Deus pelo dom da Vida e a ele faço na minha vida o que ele desejar. Deus me ama, desde o dia que me consagrei e dei meu sim. Essa é minha vocação: Deus é amor. Que sejamos o reflexo do amor de Deus”, finalizou.

Em seguida, o reitor do seminário e vigário geral da Arquidiocese, padre Jorge Campos, expressou gratidão ao arcebispo e aos padres presentes. Também agradeceu aos seminaristas e colaboradores do seminário que prepararam as homenagens e o almoço que foi servido após a missa.

Obs. Texto construído pelo seminarista Dhyovaine

COMENTÁRIOS