buscar
por

Seminário Internacional de Migrações e Refúgio em Brasília

“Caminhos para a cultura do encontro” é o tema do Seminário Internacional de Migrações e Refúgio, que acontece entre os dias 12 e 14 de junho em Brasília. A irmã Deonilda Zigollo, coordenadora da Pastoral da Arquidiocese de Vitória, e o diácono Cláudio Alves Moreira, ordenado no último dia 02 de junho, vão ao encontro representando a Arquidiocese. Dois migrantes venezuelanos que estão morando em Vila Velha também participarão do seminário.

Participam migrantes e refugiados que vivem no Brasil, representando cerca 50 países, o arcebispo de Manila, Filipinas, e presidente da Cáritas Internacional, cardeal Luis Antonio Tagle, agentes Cáritas, Igrejas Cristãs, denominações religiosas, agentes de pastoral, agências de cooperação e governos, no total de 200 pessoas.

O objetivo do encontro é provocar uma reflexão sobre a realidade dos migrantes e refugiados e criar oportunidades para que sejam fortalecidas as redes que atuam na ajuda deste público, criando condições necessárias para que seja garantido o direito da dignidade das pessoas em situação de migração e refúgio: acolher, proteger, promover e integrar.

A iniciativa integra as ações motivadas pela Campanha Mundial Compartilhe a Viagem, promovida pela Cáritas Internacional, em resposta ao expressivo aumento dos fluxos migratórios no mundo motivados por guerras, crise político-econômica, catástrofes ambientais, conflitos religiosos, além de tensões étnicas ou socioculturais.

33ª Semana do Migrante

Em sintonia com esta Campanha, acontece de 17 a 24 de junho em todo o país, a 33ª Semana Nacional do Migrante com o tema “A vida é feita de encontros” e o lema “Braços abertos sem medo para acolher!”, preparada pelas pastorais e organismos vinculados à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que atuam com a causa migratória.

O objetivo é promover a “cultura do encontro”, tão motivada pelo papa Francisco, “fazendo crescer os espaços e as oportunidades para que os imigrantes e as comunidades locais possam se reunir, dialogar e passar à ação”.

.

COMENTÁRIOS