buscar
por

Objetos de pessoas que receberam graças de Nossa Senhora da Penha foram apresentados na missa de encerramento

A missa de encerramento da Festa da Penha trouxe aos pés de Nossa Senhora da Penha, a Senhora das Alegrias, objetos que são trazidos ao Convento por pessoas que receberam graças ao fazerem seus pedidos com fé. Foi um momento de lágrimas que juntaram emoção, esperança e alegria.

A Praça da Prainha estava lotada e teve gente que chegou às 6h para garantir um lugar bem na frente. Trouxeram lanche, sombrinha, água e uma sacola para guardar e recolher o lixo, obedecendo aos avisos de frei Paulo Roberto, guardião do Convento da Penha, de que o cristão precisa cuidar do ambiente.

Durante o dia todo, os fiéis subiram ao Convento, fizeram suas homenagens e mais de uma hora antes da missa foram se ajeitando buscando um lugar mais confortável para participar.

Frei Florival e frei Paulo César conduziram o grupo de canto e animaram a Celebração.

Logo no início foi feita a memória dos 60 anos da Arquidiocese de Vitória e com ela, lembrados todos os bispos que, cada um a seu jeito, contribuíram para a evangelização desta Igreja Particular.

Na homilia o Arcebispo dirigiu-se aos fiéis relacionando as Sete Dores de Nossa Senhora com o sofrimento das mães de hoje que sofrem por seus filhos e as Sete Alegrias de Nossa Senhora apontando-as como um jeito de manter a esperança porque elas trazem a certeza da vitória daqueles que acreditam. Leia a homilia na íntegra aqui.

Ao final os bispos das dioceses sufragâneas dirigiram-se aos fiéis com palavras breves de pastores preocupados com o bem de seu povo.

Dom Dario Campos, bispo de Cachoeiro de Itapemirim falou que a sua diocese celebra os 60 anos de criação com muita alegria e júbilo e que sua prece hoje foi para que Nossa Senhora traga de novo a alegria para tantos desesperançados.

Dom Paulo Dal’Bó, bispo da diocese de São Mateus lembrou que o lema do jubileu de sua diocese é: a missão continua e por conta disso estão visitando todas as famílias da diocese e rezando, principalmente, pelos leigos empenhados em cuidar de suas famílias e da Igreja.

Dom Wladimir Lopes Dias, bispo da diocese de Colatina, disse que trazia para todos uma mensagem de paz e alegria e, observando uma bandeira do Brasil no entorno da Prainha disse: “que possamos construir um país com muita ordem e muito progresso. Que possamos nos alegrar e voltar a ter confiança no nosso País”.

Dom Décio Zandonade, bispo emérito da diocese de Colatina disse estar satisfeito pela confiança de Dom Wladimir em dar-lhe a oportunidade de cuidar do Santuário Nossa Senhora da Saúde, lugar onde as pessoas buscam cuidar da saúde da alma e do corpo.

Dom Rubens Sevilha, bispo nomeado para a diocese de Bauru em São Paulo, recebeu o agradecimento de Dom Luiz que também lhe desejou saúde e fé para conduzir sua diocese, foi aplaudido pelo povo e disse: “maravilhoso povo capixaba, levo vocês no coração”.

Frei Paulo Roberto, guardião do Convento fez os agradecimentos oficiais aos voluntários e patrocinadores da Festa e pe. Renato Paganini, lembrou que o Papa Francisco concedeu indulgência plenária a quem visitar a catedral de Vitória, se confessar e rezar pelas intenções do Papa e anunciou os próximos eventos do jubileu de 60 anos:

Missa pelos bispos e padres falecidos no dia 26 de abril, a procissão luminosa da Catedral à Basílica de Sto. Antônio e a Celebração em 8 de setembro, dia de Nossa Senhora da Vitória.

COMENTÁRIOS