buscar
por

Fórum mundial estuda ações para acabar com violência contra crianças

O fim da violência contra crianças no mundo todo é o assunto que está sendo tratado durante o 5º Fórum Mundial da Rede Global de Religiões a favor da Infância, realizado na Cidade do Panamá, no Panamá, desde ontem (09 de maio). O encontro segue até esta quinta-feira (11 de maio).

Aproximadamente 430 líderes das principais religiões do mundo, 60 crianças, provenientes de cerca de 70 países, e representantes de organismos internacionais estão reunidos para debater as ações que serão realizadas para eliminar a violência contra crianças.  O encontro foi aberto pelo bispo episcopaliano panamenho Júlio Murray.

O objetivo do fórum, organizado pela ONG Arigatou International, é construir um mundo melhor para meninos e meninas, e desarraigar várias formas de violência perpetradas contra as crianças, segundo informações da Agência Fides.

O presidente de Arigatou, Reverendo Keishi Miyamoto, enviou uma mensagem aos participantes afirmando que os pontos principais do encontro são a discussão de formas para proteger as crianças do extremismo violento, da violência dos grupos armados, do crime organizado, da exploração e dos abusos sexuais. Serão estudadas também ações para cultivar a espiritualidade.

O sacerdote católico chileno Pe. Sidney Fones, responsável pela Comissão organizadora do fórum, por sua vez, ressaltou que “é preciso entender que todas as pessoas têm um papel a fim de garantir que a paz prevaleça e as crianças tenham segurança”. Ele afirmou ainda que tem esperança de que as ideias e os resultados desse encontro criem ações práticas e frutuosas para a tutela dos menores.

Antes da reunião principal, 60 crianças e jovens de 13 países, participaram de um encontro realizado antes do fórum no qual prepararam as recomendações a serem apresentadas no encontro inter-religioso.
Na conclusão do evento, dia 11, os participantes assinarão uma declaração na qual se comprometerão em trabalhar todos juntos para construir um mundo livre de violência contra a infância.

COMENTÁRIOS