buscar
por

Avaliação sobre o debate de Aparecida

Os candidatos à presidência da República, Guilherme Boulos (PSOL), Fernando Haddad (PT), Álvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Henrique Meirelles (MDB), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmim (PSDB) participaram na noite desta quinta-feira (20 de setembro) do debate  em Aparecida (SP), promovido pela CNBB. O debate foi realizado na forma de um programa de TV, e no último bloco, sete bispos tiveram a ocasião de apresentar grandes questões da vida do brasileiro: superação da violência, gastos públicos com educação e saúde, desigualdade social, defesa da vida, diálogo e polarização política, defesa dos indígenas e povos tradicionais, agricultura familiar e agronegócio.

O presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha, que fez a abertura do debate, fez uma avaliação sobre o evento e considerou que o objetivo de que a população conhecesse melhor os candidatos a partir de questões que o povo brasileiro sente e que a própria CNBB está expressando, foi atingido.

“Os bispos, atentos à realidade brasileira, trouxeram questões que não são somente de interesse estritamente da Igreja, mas de toda a população“, disse. O presidente da CNBB também lembrou que a participação dos jornalistas católicos ajudou a apresentar aos candidatos várias realidades importantes que merecem uma palavra de cada um deles e que “expressa o diálogo dos candidatos com a própria Igreja. Claro que é um diálogo aberto, como se queria, um diálogo com o conjunto da população brasileira, mas particularmente voltado para os cristãos católicos, aqueles que participam da vida da nossa Igreja, e que têm suas preocupações, suas questões“.

Ele observou ainda que os bispos conseguiram interpretar muito bem os grandes anseios e as grandes preocupações do povo brasileiro que precisam estar no programa de governo de quem vai ser eleito.

Os dois blocos dos programa dedicados a perguntas feitas de um candidato para o outro foram marcados por algumas acusações e sinais de convergência de propostas. Ciro Gomes demonstrou ter proximidade com o quase todos os outros candidatos. Fernando Haddad lembrou os feitos dos governos Lula, enquanto Álvaro Dias o acusou de ter um discurso de ficção, sem realidade. Henrique Meirelles insistiu em sua competência para lidar com crises econômicas e Marina apresentou várias alternativas para que o País saia da esteira de governos do PT, do PSDB e do MDB para experimentar algo novo na política.

Guilherme Boulos falou de sua experiência em movimentos sociais pela moradia e propôs um Brasil que faça revisão sobre qual é a verdadeira polarização que existe, a quela provocada pela injustiça social simbolizada pela existência de meia dúzia de bilionários e milhões de pobres. O candidato Geral Alckmin acusou o PT de colocar o Brasil na situação atual e prometeu corrigir várias situações para que o País volte a crescer. Todos, exceto o candidato Meirelles, fizeram críticas ao governo atual.

Com informações do Portal da CNBB.

COMENTÁRIOS